Nossa História

No dia 14 de maio de 1944, chega a Assaí o primeiro vigário Frei Epifânio. O.F.M (da Ordem dos Frades Menores), que passa a residir nesta cidade. Desta maneira a comunidade assaiense recebeu assistência espiritual contínua e permanente. Nesta data também foi aberto o livro de Batizados. A capelaauto

  • Nossa História

  • Liturgia

  • Programa Ecos de São José

  • Programa Oração da Ave Maria

  • Programa Anunciando Jesus

  • Ano Nacional Mariano - 2017

  • Campanha da Fraternidade 2017

São Vicente de Paula (Conjunto Copasa)

São Vicente de Paula em 24 de abril de 1581; foi batizado no mesmo no mesmo dia. Era o 3.º filho do casal João de Paulo e Bertranda de Morais. Seus pais eram agricultores e muito religiosos. Todos os 6 filhos receberam o ensino religioso de sua mãe.
Vicente nasceu na aldeia de Pooy, sul da França. Seus 2 irmãos mais velhos ajudavam os pais na lavoura e Vicente era pastor de ovelhas e de porcos. Desde pequeno, demonstrava muita inteligência e grande religiosidade.
Em frente à sua casa, em um pé de carvalho, tinha um buraco; ele colocou aí uma pequena imagem da Santíssima Virgem, onde diariamente ajoelhava e fazia uma oração. Aos domingos ia à aldeia, com seus pais, para assistir a missa e frequentar o catecismo.
O Sr. Vigário aconselhou a seu pai para colocar o garoto Vicente em uma escola; via nele um grande futuro, devido sua inteligência. O pai, que era bem ambicioso, colocou-o em um colégio religioso, desejando que ele fosse padre e ser o arrimo da família. Foi matriculado em um colégio de padres Franciscanos, na cidade Dax, onde ele fez os estudos básicos.
Para seguir a carreira sacerdotal fez os estudos teológicos na Universidade de Tolusa. Foi ordenado sacerdote em 1600. Continuou os estudos por mais 4 anos, recebendo o título de Doutor em Teologia. Uma viúva que gostava de ouvir as suas pregações, ciente de que era pobre, deixou para ele sua herança, que estava com um comerciante em Marselha. Ele foi atrás do devedor, encontrando-o recebeu grande parte do dinheiro.
Ia regressar de navio. Na viagem o barco foi aprisionado por barcos de piratas turcos e levados para a Turquia. Em Tunis foram vendidos como escravos. Vicente foi vendido para um pescador, depois para um químico; com a morte deste, ele passou pra um seu sobrinho, que vendeu-o para um fazendeiro (um renegado) que antes era católico, e com medo da escravidão, adotara a religião muçulmana. Ele tinha três esposas; uma era turca, que ouvindo os cânticos do escravo, sensibilizou-se e quis saber o significado do que ele cantava.
Ela, ciente da história, censurou o marido por ter abandonado uma religião tão bonita. O patrão de Vicente, arrependido, propôs ao escravo fugirem para a França. Esta fuga só foi realizada 10 meses depois. Em um pequeno barco, atravessaram o Mar Mediterrâneo e foram dar na costa francesa e de lá foram para Avinhão onde encontraram o Vice-Legado do Papa. Vicente voltou à condição de padre e o renegado voltou para a Igreja Católica.
Tendo o Papa de mandar um documento sigiloso para o Rei da França, Vicente foi o escolhido. Pelos serviços prestados o Rei indicou-o como Capelão da Rainha. Seu serviço era distribuir esmolas para os pobres e visitar os doentes em nome da Rainha.
Padre Vicente fica conhecendo o padre Berulle, que mais tarde foi nomeado Bispo de Paris, e indicou-o para vigário de Clichy, subúrbio de Paris. Paróquia pobre, a maioria de seus habitantes eram horticultores. Padre Vicente se deu bem com eles; as missas eram bem participadas. Criou a Confraria do Rosário, para todos os dias visitar os doentes.
Padre Vicente, atendendo ao padre Berulle, vai residir no Palácio dos Gondi, família rica e da nobreza. Eles tinham grandes propriedades. Vicente, em companhia da senhora De Gondi, visita uma destas propriedades; é chamado para atender um agonizante e assiste sua confissão. Este disse que se não fosse a presença do sacerdote ele iria morrer em grandes faltas.
Padre Vicente percebeu que o povo do campo estava abandonado e na missa dominical concitou o povo a fazer a confissão geral. Teve que arranjar outros padres para ajudá-lo nas confissões tantos eram os que queriam confessar.
Com o auxílio da senhora De Gondi, funda a Congregação das Missões e a Confraria da Caridade; a primeira cuida da evangelização dos camponeses e a segunda daria assistência espiritual e corporal aos pobres, isto em 1618. Em Folevile funda uma Confraria de Caridade para homens em 1620.

DEDICAÇÃO DA IGREJA DE SÃO VICENTE DE PAULO

No domingo, dia 27 de setembro, foi celebrada a solene Dedicação da nova Igreja de São Vicente, no alto da Copasa. Numerosa multidão se reunião às 18h00 na casa do Silverinho para dar inicio à celebração, saindo de lá em procissão até a nova Igreja. Além do Bispo Emérito Dom Getúlio Teixeira Guimarães, dos padres Wagner Zacarias Rufino, pároco, Adailton e Paulo, vigários paroquiais, estiveram presentes o Pe. Roberto Maver, Superior regional da Congregação da Sagrada Família e Pe. João Carlos dos Santos que foi pároco em Assai. Com as portas ainda fechada a multidão participou dos primeiros ritos: a leitura da Placa de Inauguração, a entrega das chaves da obra por parte do engenheiro responsável e membro do Conselho de Economia Eduardo Guagagnim, e o pedido do Bispo ao Padre Wagner ordenando que este abrisse as portas do templo. Uma vez abertas as portas o bispo então convidou todos a "entrarem pela porta do Senhor".
Dentro da Igreja, com pouco iluminação aconteceram os demais ritos da Dedicação, sendo momentos marcantes a unção do Altar e das paredes da Igreja, a incensação e iluminação de todo o templo que arrancou muitos aplausos da multidão aí presente.
Agradecimentos especiais foram feitos a toda a comunidade, ao engenheiro responsável pelo acompanhamento e execução das obras Eduardo Guadgnim, a arquiteta Anelise Dalberto Guadagnim e alunos do curso de Designer da Universidade Estadual de Maringá.

Diretoria

Diretoria da Capela

Coordenador(a):

Paulo Candido Monteiro

Vice coordenador(a):

Ricardo Bruno

Tesoureiro(a):

Lailton Zamparo

Secretario(a):

Elia Santana Raminelli

Conselheiro(a):

Marina Galassi Nakasse

Elizeu Jorge

Nobuko Hiraga

Geraldo Guadain

André Lajarin

Responsável de Liturgia:

Sueli Guadain

Responsável da Catequese:

Maria Evangelina da Silva

Redes Sociais


Pastorais, Grupos, Movimentos e Comunidades

Destaques

Instituto Santa Paula