• Nossa História

  • Programa Ecos de São José

  • Programa Oração da Ave Maria

  • Mês Mariano

  • Cada Comunidade uma Nova Vocação

  • Campanha da Fraternidade 2020

  • Ressuscitou, como disse, Aleluia!

  • 1º Santo Rosário Virtual

Notícias

Dia Mundial das Missões e Missa de Envio dos Missionários

Mais uma vez nossa comunidade se reuniu no dia 20 de Outubro na Matriz São José. Dia em que a Igreja celebra o dia Mundial das Missões, para a Celebração da Santa Missa de envio dos missionários, animada pela Pastoral da Juventude e presidida pelo padre Wagner, que enfatizou que todos nós batizados, somos convidados a sermos missionários, e como já aconteceu no mês de Julho em virtude da Jornada Mundial, mais uma vez nossa comunidade viverá este grandioso momento. Mais uma vez algumas pessoas se dispuseram de seu tempo, para levar a mensagem de Jesus Cristo aos lares de muitas famílias.

Nesta celebração foi lembrado também que uma das urgências da evangelização apontada pelos Bispos do Brasil é a Igreja em estado permanente de missão. E o mês de outubro, é dedicado às missões, nos lembrando de que anunciar a boa nova do reino é missão de todos nós e também nos ajuda na vivência do nosso batismo.

Após a Homilia, o padre fez o envio dos missionários (as) com as seguintes palavras: Anunciem a todos Jesus Cristo: só nele há salvação e coração novo! Que o Divino Espírito Santo abra as portas e os corações das famílias que vocês irão visitar e os ajude a levar à frente a missão, com perseverança e com alegria”.

Após a missa os missionários e missionárias, receberam as instruções dada pelo coordenador dos Missionários, Sr Elizeu Jorge, e nos dias 21, 23, 25 de Outubro estarão realizando as visitas nas famílias do conjunto Adamazildo Bomtempo.

Por fim deixo também a todos os missionários (as) as palavras dita pelo Papa Francisco em sua Homilia no dia das Missões; “O anúncio do Evangelho é um dever que brota do próprio ser discípulo de Cristo e um compromisso constante que anima toda a vida da Igreja. «O ardor missionário é um sinal claro da maturidade de uma comunidade eclesial» (Bento XVI, Exort. ap. Verbum Domini)”.

Que Deus abençoe a todos os missionários (as), que se deixa guiar pelo Espírito Santo, pois vocês são colaboradores na construção do reino de Deus, e amparados nos braços de nossa Mãe Imaculada Conceição, anunciem com alegria a grande mensagem de Salvação as famílias que irão acolher a mensagem de Cristo.

Diocese de Cornélio Procópio celebra seus 40 anos de criação e também a restauração de sua Catedral

A comunidade católica do norte paranaense está em festa pela comemoração dos 40 anos de implantação da Diocese de Cornélio Procópio e a restauração da Catedral Cristo Rei.
Para marcar estas comemorações, neste domingo, 13 de outubro, aconteceu à dedicação da Catedral Cristo Rei, celebrando os 40 anos de instalação da Diocese e a restauração da Catedral, restauro iniciado em agosto de 2009. O evento teve início às 17h30min com a celebração da Santa Missa presidida pelo Bispo de Cornélio Procópio, Dom Getúlio Teixeira Guimarães, SVD e co-celebrada por vários Bispos e Padres do Paraná e de outras localidades. Uma multidão de pessoas vindas das paróquias da Diocese e outras localidades participaram da celebração num clima de unidade e alegria.
Após desmembramento da Diocese de Jacarezinho, em 26 de maio de 1973, a Diocese de Cornélio Procópio foi criada pelo Papa Paulo VI, através da bula "Votis et Precibus". Em 13 de outubro do mesmo ano a diocese foi instalada com a posse do primeiro bispo, Dom José Joaquim Gonçalves. Atualmente esta circuncisão eclesiástica reúne 19 municípios, com 25 paróquias, 30 padres diocesano e 8 padres religiosos. Os municípios pertencentes ao Bispado são: Jataizinho,Rancho Alegre,Assaí,Sertaneja,Uraí,São Jerônimo,Nova Santa Bárbara,Santa Cecília do Pavão, São Sebastião da Amoreira,Nova América da Colina,Leópolis,Sapopema,Santo Antonio do Paraíso,Cornélio Procópio, Congonhinhas,Santa Mariana,Curiúva,Figueira e Nova Fátima.
A instalação da Diocese completa 40 anos, mas a Catedral Cristo Rei, de Cornélio Procópio, que finaliza agora sua restauração, existe há mais tempo. A Paróquia Catedral foi concluída em maio de 1948, e a primeira missa celebrada neste templo aconteceu em 13 de junho de 1948.

Fonte - Diocese de Cornélio Procópio

PESQUISA MOSTRA OPINIÃO DE CRISMANDOS DO ANO DE 2013

No encontro com os crismandos no dia 21 de setembro em preparação ao Sacramento da Crisma a ser celebrado no próximo dia 27 de outubro, às 19h30, por Dom Getúlio Teixeira Guimarães os crismando responderam a uma pesquisa para verificar o que acham da crisma, qual o nível de participação nas missas, se participam ou se há interesse em participar de alguma pastoral ou movimento e qual? A seguir os gráficos que mostram as respostas dos crismandos. Um total de 112 crismandos responderam à pesquisa.

Lectio Divina na Comunidade São Benedito

Na última quarta-feira (4 de setembro) aconteceu na Capela São Benedito, localizada na Vila Nova, a Leitura Orante da Bíblia. A atividade faz parte da programação desenvolvida para celebrar mês da Bíblia na Paróquia São José de Assai. A Lectio Divina vem do latim e tem como significado, “leitura divina”, “leitura espiritual” ou ainda “leitura orante da Bíblia”, é um alimento necessário para a nossa vida espiritual. A partir desta oração, conscientes do plano de Deus e a sua vontade, pode-se produzir os frutos espirituais necessários para a salvação. A Lectio Divina é deixar-se envolver pelo plano da Salvação de Deus. Os princípios da Lectio Divina foram expressos por volta do ano 220 e praticados por monges católicos, especialmente as regras monásticas dos santos: Pacômio, Agostinho, Basílio e Bento. Santa Terezinha Do Menino Jesus dizia, em período de aridez espiritual, que quando os livros espirituais não lhe diziam mais nada, ela busca no Evangelho o alimento de sua alma.



Mês da Bíblia

Dentro dos temas propostos pela Mãe Igreja à nossa consideração, o mês de setembro é o mês da Bíblia. Não que devamos ler a Sagrada Escritura somente neste mês. Para tomarmos consciência mais aflorada da importância da leitura e da vivência da Palavra de Deus que é segundo o cântico tão caro a nós: “Lâmpada para os meus pés e luz para os meus caminhos”, somos convidados a uma reflexão mais específica nestes dias que se seguem.

Do ponto de vista institucional, setembro é colocado como o mês da Bíblia em homenagem a São Jerônimo, cuja festa se comemora em 30 de setembro. Todos sabem que São Jerônimo foi um grande apaixonado pelas Sagradas Escrituras e foi o responsável pela sua tradução para o latim, chamada VULGATA. Grande tradutor e exegeta da Bíblia, São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja, nasceu na Dalmácia em 340, e mereceu ser conhecido como escritor, filósofo, teólogo, retórico, gramático, dialético, historiador, exegeta e doutor, como ninguém nas sagradas escrituras. Entendia que “Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus, e quem ignora, portanto, ignorar as escrituras é ignorar a Cristo”. Com posse da parte recebida em herança dos pais, realizou sua vocação de amante dos estudos em Roma, e assim conheceu Jesus e recebeu do Santo Padre Libério o Batismo, que o levou a formar uma pequena comunidade religiosa, inclinado pela radicalidade. Viveu uma forte experiência monacal e, logo em seguida, dirigiu-se a Constantinopla, atraído pela fama oratória de são Gregório. São Jerônimo foi ordenado sacerdote e, feito monge, retirou-se para estudos, a fim de responder com a literatura as necessidades da época. Tendo estudado as línguas originais para melhor compreender as Escrituras, a pedido do Santo Padre Dâmaso, traduziu com precisão os textos inspirados. Saiu de Roma e, como monge penitente e estudioso, continuou seus trabalhos bíblicos, até falecer em 420, aos 30 de setembro, com praticamente 80 anos. A Santa Igreja, Mãe e Mestra, declarou São Jerônimo padroeiro dos estudos bíblicos e o Dia da Bíblia foi colocado a 30 de setembro, dia de sua morte e posse da promessa bíblica da Vida Eterna.

Assim, com São Jerônimo, queremos percorrer os dias deste mês, tempo de vida e de flores primaveris, com uma conversão pastoral profunda da leitura e da vivência diária do que nos ensina a Sagrada Escritura. Nesse propósito, ao nos debruçarmos na leitura da Bíblia, desde a majestosa simplicidade da História dos Primórdios nos primeiros capítulos do Gênesis, a vocação de Abraão, a era dos patriarcas, o Êxodo, dominado pela figura empolgante de Moisés, e a grande gesta do deserto, das maravilhas de Deus, da Aliança do Sinai; depois, os juízes e os reis, com as figuras inexcedíveis de Davi e Salomão; a divisão do povo em dois reinos - Judá e de Israel; o exílio na Babilônia, a volta e a recomposição; tudo isso iluminado pela Palavra dos profetas, que iam mostrando o sentido das coisas de Deus para além das vicissitudes das guerras e do domínio da terra.

E em tudo cantado louvores e súplicas, e às vezes de dor e contrição, por meio dos Salmos, cuja poesia não é superada por nenhuma poesia humana. Continuando nossa caminhada vem o Novo Testamento, quando Deus, “depois de ter falado mil vezes e de diversos modos aos Pais pelos profetas, falou definitivamente no filho a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual fez os séculos” (Hb 1,1s). Nada mais sábio nem mais santo do que o livro do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, nas quatro redações dos sinóticos e de São João, continuando depois como que num eco de vida e de eficácia no Livro dos Atos dos Apóstolos e nas cartas de São Paulo e de outros apóstolos, terminando com o Apocalipse, que é um cântico de vitória e de esperança.

Nas Sagradas Escrituras, Deus se nos revela através de palavras e de acontecimentos intimamente entrelaçados, de tal sorte que as obras ajudam a manifestar e confirmar os ensinamentos e realidades significadas pelas palavras; e estas, por sua vez, proclamam as obras e elucidam o mistério nelas contido (DV 2/162). Deus se serve de autores humanos, por Ele inspirados e de linguagem humana, e até dos gêneros literários usados em cada época, para nos manifestar a sua verdade. É o que São João Crisóstomo chamou de “Divina Condescendência”. Deus desce até nós e fica perto de nós.

A Sagrada Escritura é viva e eficaz. Por isso, enquanto membros da Igreja, a comunidade dos fiéis é chamada a ser como aquela comunidade que “escuta religiosamente a palavra de Deus, santamente a guarda e fielmente a expõe” (Ibid. 10/176). E, para que realmente possa ser fiel a sua exposição da palavra de Deus ao seu povo, encoraja e oriente uma multidão de estudiosos, de peritos e de exegetas, que nos ajudam a entender bem hoje de livros que foram escritos há tantos séculos e traduzidos e transcritos em infinitas cópias.

Celebrar o Mês da Bíblia há de nos ajudar a nos familiarizarmos sempre mais com o texto sagrado, não só pela leitura que deles se faz na liturgia, mas em nossas leituras e meditações pessoais ou nos círculos Bíblicos e grupos de reflexão que hoje fazem crescer tanto a Igreja, alimentada com a Palavra de Deus. Desta forma, é atual que o espírito de Deus não só inspirou os autores sagrados para que escrevessem os livros, mas continua de algum modo misterioso a inspirar a Igreja e os fiéis, quando lemos esses livros.

Não se lê a Sagrada Escritura apenas por uma curiosidade científica ou para deleite estético. É um falar com Deus. Lembramo-nos de que assim se estabelece colóquio entre Deus e o homem, uma vez que ”a Ele falamos quando rezamos e a Ele ouvimos quando lemos os divinos oráculos” (Santo Ambrósio , DV 25/196).

Para 2009, dando seqüência ao primeiro mês da Bíblia celebrado em 1971, inicialmente na Igreja Particular de Belo Horizonte, neste ano o livro proposto é a Carta de São Paulo ao Filipenses, cujo tema é “Alegria de servir no amor e na gratuidade”, e o lema: “Tende em vós os mesmos sentimentos de Cristo Jesus” (Fl 2,5).

Na alegria, no serviço alegre e doce, queremos iluminar nossa vida pela Sagrada Escritura e, com Jesus, numa conversão profunda, procurar sempre pela Palavra anunciada, refletia e vivida, viver com exuberância os sentimentos do Senhor Jesus.

Padre Wagner Augusto Portuga

Site Catequese Católica

Papa nomeia Pietro Parolin como novo Secretário de Estado

O atual núncio apostólico na Venezuela, Arcebispo Pietro Parolin, foi nomeado pelo Papa Francisco como o novo Secretário de Estado do Vaticano, substituindo o Cardeal Tarcisio Bertone. A notícia foi anunciada oficialmente na manhã deste sábado, 31.
O comunicado ressalta que o Papa pediu ao Cardeal Bertone que permaneça no cargo até o dia 15 de outubro de 2013. Naquela data, em audiência com toda a Cúria Romana, Francisco agradecerá publicamente o fiel e generoso serviço prestado à Santa Sé pelo cardeal salesiano e apresentará dom Piero Parolin a seus colaboradores.
O novo Secretário de Estado nasceu em Schiavon, na região do Veneto, norte da Itália, e está com 58 anos de idade. De família simples, ficou órfão de pai aos 10 anos, ingressou no seminário aos 14. Estudou em Roma, foi ordenado sacerdote em 1980 e iniciou carreira diplomática na Santa Sé em 1986. Foi representante da Santa Sé na Nigéria e no México.
Em 2002, foi chamado novamente a Roma e nomeado vice-secretário da Seção para as Relações com os Estados, colaborando com os Cardeais Angelo Sodano e Tarcisio Bertone. Dom Pietro se ocupou das relações com os países asiáticos, como Vietnã e China até 2009, quando foi nomeado por Bento XVI para a Nunciatura de Caracas. A nomeação de Dom Pietro Parolin marca o retorno à Secretaria de Estado de um diplomata de formação.
Governadorato
Outra mudança importante foi anunciada pelo Papa Francisco na sexta-feira, 30 de agosto: a nomeação do sacerdote espanhol padre Fernando Vérguez Alzaga, de 68 anos, como novo Secretário-Geral do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano.
Membro da Congregação dos Legionários de Cristo, padre Alzaga exercia desde 2008 a função de diretor da Direção das Telecomunicações do Estado da Cidade do Vaticano. Ordenado sacerdote em 1969, fez mestrado em Filosofia e Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana e obteve o diploma da Escola de Arquivista no Arquivo Secreto Vaticano.
Em 1972 iniciou seu serviço à Santa Sé na Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica. Em 1984 foi transferido para o Pontifício Conselho para os Leigos, assumindo, dez anos mais tarde, o cargo de chefia no Setor Internet da Santa Sé.

Papa consagrará o mundo ao Imaculado Coração de Maria em outubro

O Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização divulgou o programação oficial da Jornada Mariana a ser realizada em Roma nos dias 12 e 13 de outubro, evento em que o Papa Francisco consagrará o mundo ao Imaculado Coração de Maria diante da imagem da Virgem de Fátima que será levada desde seu santuário em Portugal.

Segue a programação:

Sábado - 12 de outubro

8h às 12h: peregrinação ao túmulo do apóstolo Pedro.
9h às 12h: adoração eucarística e celebração do sacramento da reconciliação em algumas Igrejas próximas à basílica de São Pedro.
17h: acolhida da estátua original da Virgem de Fátima pelo Papa Francisco na praça São Pedro, seguida de catequese mariana.
19h: estadia da estátua da Virgem de Fátima no santuário romano do Divino Amor e início do momento de oração "com Maria, além da noite", o qual está organizado em dois momentos especiais:

a) oração do Santo Rosário em união com alguns santuários marianos do mundo (às 19h).
b) vigília de oração (a partir das 22h).

Domingo - 13 de outubro

8h: chegada à praça São Pedro.
10h: oração do Santo Rosário.
10h30: missa presidida pelo Papa Francisco.

Fonte: ACI Digital

Nota de falecimento

A Paróquia São José e os padres da Congregação da Sagrada Família de Bérgamo, com pesar, mas confiantes na bondade e misericórdia divina, anunciam a páscoa do padre Italo Fani, falecido hoje (15 de julho), na cidade de Serrinha, no Estado da Bahia.
Padre Italo Fani nasceu no dia 27 de março de 1924 (89 anos de vida) na Italia, fez a primeira profissão religiosa no dia 13 de setembro de 1946 e foi ordenado sacerdote em 3 de junho de 1950, tendo assim, 63 anos de vida sacerdotal. Após a ordenação, atuou entre os anos de 1950 a 1951 como vice reitor em Villa Campagna, de 1951 a 1952 em Bérgamo. Entre os anos de 1952 a 1959 foi vice reitor em Orzinuovi. Em 1959 assumiu o cargo de superior e reitor em Martinengo até o ano de 1965, quando assumiu como superior e diretor em Orzinuovi. Entre os anos de 1971 e 1976 foi superior na comunidade de S. Marinella. De 1976 a 1984 foi superior na comunidade de Vigna Pia.
Em 1984 foi destinado para o Brasil na condição de superior delegado ficando até o ano de 1988, quando retorna para Italia como Superior em Martinengo até o ano de 1990. Entre os anos de 1990 e 1995 foi superior em Orzinuovi. Retornou para o Brasil no ano de 1995 na condição de auxiliar na Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Jandira, posteriormente em 2002 auxiliar na Casa da Delegação, também em Jandira. Entre os anos de 2005 e 2007 foi auxiliar no seminário menor de Peabiru. E desde 2007 até hoje, atuou como Vigário Paroquial da Paróquia Bom Pastor, na cidade de Serrinha, diocese na qual também com condecorado com o titulo de Cônego.
Na paróquia de Assaí, padre Italo Fani foi o responsável pela vinda dos padres e irmãos da Sagrada Família, sendo que ele fez as negociações com o bispo diocesano.

Pascom Assaí

Não sou mais eu que vivo. É Cristo que vive em mim

Queridos irmãos, iniciamos o tempo pascal. Com intensidade celebramos o Tríduo Pascal, rico de espiritualidade, culminando com a solene celebração da Vigília Pascal  que nos trouxe a certeza, por meio da Liturgia do Fogo Novo e benção do Círio Pascal, de que não andamos mais na escuridão, refletimos sobre as maravilhas que o Senhor fez por nós na Liturgia da Palavra, renovamos a nossa fé por meio da Liturgia Batismal e nos alimentamos do Cordeiro que tira o pecado do mundo na Liturgia Eucarística.
O mistério Pascal é centro de nossa fé e de nossa vida cristã. “Se o Senhor não tivesse ressuscitado em vão seria a nossa fé” (1 Cor 15,17). A Páscoa nos aponta para o testemunho. Experimentamos o Senhor, e esta experiência devemos comunicar aos outros.
Toda nossa comunidade está de parabéns pela belíssima participação e envolvimento nas celebrações que fundamentam a nossa fé. A vivência da fraternidade e da comunhão nos ajudará ainda mais no nosso testemunho de Povo que pertence ao Senhor.
“Este é o dia que o Senhor fez para nós” (Sl 118, 24), tempo de Kairós, tempo da Graça, tempo da Vida Nova. À luz da Ressurreição possamos dizer como o Apóstolo Paulo: “Não sou mais eu que vivo: é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20).
Uma Feliz e Santa Páscoa
Pe. Wagner e Pe. Paulo

Assembleia dos Bispos do Regional Sul II

Reuniram-se 23 bispos das dioceses do Paraná para sua Assembleia Anual na cidade de Cascavel, na região oeste do Estado do Paraná.
Na celebração de abertura, mesmo com chuva intensa, uma multidão foi à Catedral Nossa Senhora Aparecida para participar da concelebração.
Durante o encontro, a presidência apresentou, através de um relatório, as principais atividades acontecidas desde a última Assembleia dos Bispos. Causou alegria a todos, a ajuda missionária que a Igreja do Paraná tem propiciado à Diocese de Bafatá, em Guiné Bissau. Uma partilha entre as dioceses possibilitou que nove jovens guineenses possam vir ao Brasil para participar da Jornada Mundial da Juventude.
Sobre a peregrinação dos símbolos da Jornada que percorreram as dioceses do Paraná em fevereiro, falou-se de uma verdadeira "manifestação de Deus" entre a juventude.
Na pauta dos trabalhos da assembleia estava a articulação para uma melhor participação dos jovens paranaenses na Jornada Mundial da Juventude (JMJ); o lançamento do kit “Ano da Fé”; a preparação para a celebração do Jubileu de Ouro do Regional Sul 2, cuja criação ocorreu  em 30 de setembro de 1964 e implantação no decorrer de 1965.
A Assembleia evidencia a união de todo o episcopado e ao mesmo tempo permite traçar as metas conjuntas para a Igreja do Paraná. Esta assembleia teve o seu encerramento na terça-feira (12).
Fonte:  Secretariado da CNBB Regional Sul II

Semana Santa: Itinerário daquele que Vence o Mundo

Irmãos e irmãs. Se aproxima este momento de graça tão sublime que é a Semana Santa. Preparemos nosso coração, mente e espírito para adentrar este tempo mergulhando no mistério pascal de Cristo. Nós seus discípulos somos chamados a estar com o Senhor na sua ceia derradeira, contemplar com os olhos fixos na cruz seu sofrimento e as dores do Cordeiro que se entregou e padeceu por nós, porém serenos e confiantes na certeza de encontrar o sepulcro vazio e bradar com toda a Igreja Militante e a Igreja Triunfante ALELUIA! O Senhor Ressuscitou! Porém não nos esqueçamos de que o itinerário da vitória da ressurreição, o caminho da vitória do cristão inevitavelmente passa antes pelo caminho da Cruz que é escândalo para o mundo e é a glória do cristão.
Vivamos com ardor a Nossa Fé, voltando-nos para seus fundamentos e fortalecendo sua vivência em nosso testemunho, pois a nossa fé é a vitória que vence o mundo, a verdade que mantém revigorada a força do cristão: carregar a Cruz que Ele já carregou por nós, morrer a morte que Ele já venceu por nós e receber a vida que Ele já conquistou para nós. Aleluia!
Por Conrado de Oliveira Neto

Papa Francisco celebra missa de inicio do seu ministério petrino

A cerimônia que marca o inicio do ministério petrino do Papa Francisco, nesta terça-feira, 19, no Vaticano, iniciou com a visita ao túmulo de São Pedro, sob o altar central da Basílica de São Pedro, onde o Pontífice rezou na companhia dos patriarcas das Igrejas orientais católicas. A procissão inicial da santa missão ao som da ladainha em latim deu inicio a celebração.
O Papa francisco recebeu das mãos do cardeal francês Jean-Louis Tauran,protodiácono do colégio cardinalício, o pálio petrino símbolo da missão como pastor da Igreja e em seguida o cardeal Angelo Sodano entregou o anel do pescador. Após este momento, seis cardeais cumprimentaram o Santo Padre em sinal no ato de obediência.
Os ritos próprios da solenidade de São José, patrono da Igreja universal, as leituras foram proclamadas em inglês, italiano e espanhol, destacando o Evangelho proclamado apenas em grego por um diácono do rito bizantino. A leitura em grego simboliza que a Igreja se constitui em tradições tanto orientais quanto ocidentais.
Em sua homilia destacou o que chamou de "conscidencia rica de significado" a inauguração do pontificado. "Agradeço ao Senhor por poder celebrar essa missa de início do ministério petrino na festa de São José" afirmou o Pontífice e saudou as delegações presentes.
Destacou a missão de são José como guardião de Maria e Jesus.  "José é protetor porque sabe ouvir Deus, se deixa guiar por sua vontade e é mais sensível às pessoas confiadas a ele." afirmou Francisco.
"Nele, vemos como se responde à vocação de Deus, com disponibilidade, com prontidão. Temos também o centro da vocação cristã: Cristo. Acolhemos Cristo primeiro na nossa vida, para depois acolhermos os outros." falou o Papa a respeito do santo.
Francisco recordou a necessidade de cuidar dos pobres e da criação. O exemplo de são José é de guardião e assim pediu que o "responsáveis" que cuidassem do mais frágeis. "Peço a todos aqueles que ocupam papel de responsabilidade nos meios econômico, politico e social, a todos homens e mulheres de boa vontade, para que cuidem da criação. Do desenho de Deus na Natureza. Cuidem um do outro, do meio ambiente".
A respeito de sua missão como sucessor de Pedro, Francisco destacou que está no centro, tal como São José, ser uma presença silênciosa e discreta, guardar a fé e os irmãos. "Um Papa, para exercer o poder, (...) deve olhar seu serviço humilde, concreto e, como São José, abrir os braços para acolher todo o povo de Deus, com afeto e ternura. Principalmente os mais pobres".
No final de sua homilia, Francisco novamente pediu a oração do povo de Deus, invocando o santo de Assis e o auxilio do Espírito Santo. "Peço a intenção de São Francisco para que o Espirito Santo acompanhe meu ministério e a todos vocês, peço que rezem por mim", finalizou o Pontifice. (Jefferson Souza)

Da redação do Portal Ecclesia.
contador gratuito

Redes Sociais

#FicaADica


Destaques

Instituto Santa Paula